SAIBA MAIS...
Dia Mundial do Coração

O Dia Mundial do Coração, comemorado neste ano no dia 29 de setembro, reforça a importância de cuidar da saúde em qualquer idade. As doenças cardiovasculares são a maior causa de mortalidade no Brasil. Para os radiologistas cardiovasculares, este dia tem uma importância ímpar, pois atualmente eles possuem uma ferramenta muito potente para o diagnóstico e possível mudança do prognóstico de pacientes que dela se beneficiam.

"A tomografia computadorizada é um teste de diagnóstico médico que utiliza raios-x para produzir imagens de qualquer região do corpo. Quando este exame é realizado acoplado ao eletrocardiograma (ECG), podemos avaliar e quantificar, sem a utilização de contraste iodado, a quantidade de placa aterosclerótica calcificada encontrada nas coronárias, o que leva o nome de escore de cálcio coronário. Assim, de uma forma não invasiva podemos obter informações sobre a presença, localização e extensão da placa calcificada nas artérias coronárias", explica Dr. Marcelo Souto Nacif, radiologista da Plani, do Grupo Alliar.

Foi definido por vários estudos, sendo um deles o MESA (Multi-Ethnics Study of Atherosclerosis), que quanto maior a quantidade de placas calcificadas maior a probabilidade de risco para um ataque cardíaco ou eventos adversos cardiovasculares. "Desta forma o escore de cálcio deve ser utilizado para diagnóstico de doença arterial coronariana e como uma potente ferramenta para estratificação de risco de eventos cardiovasculares, mais precisamente coronariano como o infarto do miocárdio", completa o especialista.

Com o conhecimento científico atual, pode-se retirar as seguintes conclusões:

- Um exame normal (escore de cálcio igual a ZERO) significa que a presença de placas ateroscleróticas, incluindo placas instáveis e/ou vulneráveis é muito improvável.

- Um exame normal também reduz a chance de existir lesões obstrutivas significativas.

- Um exame normal é preditivo de baixo risco de eventos cardiovasculares (0,1%/ano) nos próximos 2 a 5 anos.

- Um exame alterado (escore de cálcio maior do que ZERO) confirma a presença de doença aterosclerótica coronariana.

- A quantidade de calcificação coronariana está diretamente relacionada à carga aterosclerótica total do indivíduo.

- Um escore de cálcio elevado (maior do que 400 ou no percentil 75 para idade, sexo e etnia) é preditivo de alto risco de eventos cardiovasculares (>2%/ano) nos próximos 2 a 5 anos.

- O escore de cálcio é preditor independente do risco de eventos cardiovasculares e apresenta valor adicional aos tradicionais Framingham e à proteina C-reativa.

- A determinação do escore de cálcio de um individuo tem como potencial alterar a conduta clínica, particularmente nos paciente de risco intermediário pelo escore de Framingham.

- É importante conhecer as diversas classificações do escore de cálcio, pois o resultado é baseado nestes achados e as pessoas são enquadradas em grupos de risco cardiovascular independentes de acordo com a seguinte tabela:

Escore de Cálcio - Presença de doença arterial coronariana (DAC)
0: sem evidência de DAC
1-10: mínima evidência de DAC
11-100: Leve evidência de DAC
101-400: Moderada evidência de DAC
Over 400: Severa evidência de DAC



Publicidade

  • slide1
  • slide2
  • slide3

Vídeos



  • slide1
  • slide1
  • slide3
  • slide4